TRANSPORTES

Metrô Bom
Navio Bom
Trem Bom
Avião Bom
Morre Jorge Picciani, ex-presidente da Alerj - Editoriais - Band News FM

Cidade

Texto:
+
-

Morre Jorge Picciani, ex-presidente da Alerj

Ele estava internado em um hospital em São Paulo, onde realizava tratamento contra um câncer

Por Ryan Lobo, às 07:37 - 14/05/2021

00:00 / 00:00

Picciani cumpriu seis mandatos como deputado estadual (Foto: Reprodução/Alerj)

Vai ser enterrado neste sábado (15) o corpo do ex-presidente da Assembleia Legislativa do Rio Jorge Picciani. O político morreu na madrugada desta sexta-feira (14) aos 66 anos vítima de um câncer na bexiga. Ele estava internado em um hospital em São Paulo desde o dia 8 de abril, onde realizava tratamento contra a doença.

Jorge Sayed Picciani nasceu em 1955 em Mariópolis, sub-bairro de Anchieta, na Zona Norte. Filho de confeiteiros, ele fez carreira na região e na Baixada Fluminense. A primeira experiência política foi como cabo eleitoral em 1985. Cinco anos depois foi eleito deputado estadual, sendo esse o primeiro de seis mandatos.

Em 1993 aceitou convite do então governador Leonel Brizola e assumiu a Secretaria Estadual de Esportes e Lazer. De volta ao Legislativo, acumulou diferentes cargos, até se eleger, por quatro mandatos consecutivos, presidente da Alerj. Picciani ainda presidiu a Casa em 2015, quando recebeu 65 dos 70 votos dos parlamentares.

Conhecido na área política pela alcunha de 'Homem de Palavra', por cumprir prazos e promessas, o ex-deputado foi autor da lei que garantiu vagões exclusivos para mulheres nos trens e no metrô do Rio e criador da Comissão de Ética da Assembleia. Foi durante a gestão dele que a proibição do nepotismo foi aprovada e a CPI do Propinoduto foi aberta.

Para o cientista político Guilherme Carvalhido, a influência de Picciani também se estendeu a Brasília e o processo de impeachment de Dilma Rousseff.

A trajetória de Picciani, no entanto, também foi marcada por polêmicas por conta de ligações com a área do transporte e a relação com Sergio Cabral. Os dois, que faziam parte do MDB, foram acusados de improbidade administrativa.

Em 2017, Jorge foi preso preventivamente durante a Operação Cadeia Velha. Segundo as investigações, o político e outros deputados favoreciam empresas de ônibus e também empreiteiras em um esquema que teria sido iniciado por Cabral.

No ano seguinte, já em prisão domiciliar para tratamento do câncer, foi alvo da Operação Furna da Onça, acusado de participar de esquemas de corrupção do ex-governador. Em 2019, ele chegou a ser condenado a 21 anos de prisão pelo Tribunal Regional Federal da 2ª região.
O cientista político Guilherme Carvalhido destaca que Picciani passou por importantes capítulos na história recente da política fluminense.

O corpo de Jorge Picciani vai ser velado neste sábado (15) no Palácio Tiradentes, sede da Assembleia Legislativa, que decretou luto por três dias. O político vai ser enterrado no cemitério Jardim da Saudade em Sulacap, na Zona Oeste.

Além de pecuarista, Picciani também era formado em contabilidade pela UERJ e em estatística pela Escola Nacional de Estatística. Ele deixa a esposa e cinco filhos, entre eles os também políticos Leonardo e Rafael Picciani.

Ouça a reportagem completa clicando no player de áudio.

NEWSLETTER
OU